Uma viagem pela Puglia, um salto no sul da Itália e um mergulho numa região que é muito diferente daquilo que você conhece da Itália.

A Puglia (ou Apúlia, aportuguesando) é a região mais oriental da Itália e faz fronteira com as regiões Molise, Campania e Basilicata. O salto da bota, como também é chamado, é banhado pelos mares Adriático e Jônico. É a sétima região da Itália por extensão (20.ooo km²) e oitava por população (4 milhões de habitantes). Todavia, se a Puglia ficasse no Brasil seria o menor estado do país com uma população equivalente a do Espírito Santo. No entanto, a Puglia é dividida em zonas que podem ser úteis na organização do seu roteiro de viagem pela Puglia.

 

Norte: Gargano, Tavoliere delle Puglia e os Montes da Daunia

O norte da Puglia, a antiga Capitanata, é toda província de Foggia, mas dividida em zonas: Gargano, Tavoliere delle Puglia e Daunia.

Se a Itália é uma bota e a Puglia é o salto, o Gargano é o esporão (da bota) voltado para o Mar Adriático com penhascos, falésias e trabucchi, estruturas rústicas de madeira utilizadas para a pesca. Além do litoral, o Parco Nazionale del Gargano conserva, por exemplo, florestas de carvalhos e orquídeas. Destaque para os bosques e trilhas da Foresta Umbra, os santuários de San Michele Arcangelo (Patrimônio da Humanidade pela Unesco), em Monte Sant’Angelo (FG), e de Padre Pio, em San Giovanni Rotondo, as Ilhas Tremiti (FG) e várias localidades turísticas, como Vieste e Peschici (FG).

Indo para o oeste o Tavoliere delle Puglie é a segunda maior planície da Itália com mais de 3000 km² e se estende do Gargano até a Daunia. Toda a área é cultivada, principalmente, com trigo, por isso foi chamada de Celeiro da Itália. Além disso, a Puglia é uma das principais produtoras de tomate. No inverno a transumância leva os rebanhos das outras regiões para pastar no Tavoliere.

Embora seja a região menos montanhosa da Itália, nos Montes da Daunia se localiza o ponto mais alto da Puglia, o Monte Cornacchia (1.152 m), em Biccari (FG). Para fazer uma comparação o ponto mais alto do Brasil é o Pico da Neblina com 2995 m de altura. O Corcovado, no Rio de Janeiro, tem 710 m. A Daunia é a zona menos populosa, porém é a zona dos bosques, prados e das cidades colineares com vista para o Tavoliere delle Puglie, como Bovino (FG), Pietramontecorvino (FG) e Sant’Agata di Puglia (FG).

 

Centro: Terra di Bari e Valle d’Itria

A Terra di Bari ocupa a parte central da região, principalmente, as províncias e Bari e Barletta-Andria-Trani. Bari, a capital da Puglia, é o ponto de partida para conhecer a região.

Certamente, a grande atração é o Castel del Monte, símbolo da Puglia e Patrimônio da Humanidade pela Unesco, em Andria. Trani ostenta um dos portos e uma das catedrais mais bonitas da região. Polignano a Mare (BA), a pérola do Adriatico, um centro histórico sobre um penhasco com vista para o mar.

As murge são o maior planalto de rocha calcária da Itália que ocupa boa parte da Terra di Bari com cânions, pastos e zonas áridas. Enquanto, à beira de um cânion a pré-história e a idade média se misturam no centro histórico de Gravina in Puglia (BA), mais ao sul, a terra vermelha se enche de videiras, oliveiras e amendoeiras. O Valle d’Itria é a zona dos murinhos de pedras e dos trulli de Alberobello (BA), milhares de casinhas com telhado de pedra em forma de cone (Patrimônio da Humanidade pela Unesco). No entanto, Locorotondo (BA) é a cidade das cummerse, casas com telhado inclinado, e do vinho branco Doc local. Da mesma forma, destaque para a barroca Martina Franca (TA) e as bombette de carne de Cisternino (BR).

 

Sul: Salento

O sul da Puglia é o Salento, portanto a zona é formada pelas províncias de Lecce e partes da de Brindisi e Taranto.

Lecce, a Florença do Sul, é a capital do Salento. O centro histórico murado de Otranto é um patrimônio cultural da Unesco e o seu farol, Punta Palascìa, é o ponto mais oriental da Itália, a 70 km da Albânia. Gallipoli (LE), a cidade bela, é o point do verão com festas e shows na beira da praia. Em Santa Maria di Leuca (LE), no extremo sul da Puglia, o Mar Adriático encontra o Mar Jônico. O interior da província de Lecce conserva um pouco da Grécia Salentina, o barroco salentino de Nardò e Galatina, e os antigos moinhos subterrâneos de Presicce e Specchia.

A Via Appia, a rainha das estradas, ligava a capital do império romano passando pepla província de Taranto até chegar ao porto de Brindisi. Ostuni (BR) é a famosa cidade Branca da Puglia. As ruínas de Egnazia, em Fasano (BR), marcam a fronteira entre a Terra di Bari e o Salento.

Taranto foi uma colônia espartana e centro principal da Magna Grécia. Grottaglie (TA) é famosa pela cerâmica e Manduria (TA) pelo vinho primitivo. Maruggio (TA) é a terra dos templários e das dunas de Campomarino. No Arco Jônico Tarantino a tranquilidade toma conta do mar de Ginosa (TA) e Castellaneta (TA).

 

Mapa das zonas e das principais cidades da Puglia

 

Viagem pela Puglia, um salto no sul da Itália: História

A Puglia é considerada uma ponte natural entre o ocidente e oriente devido a sua localização no mediterrâneo. Portanto, era passagem de peregrinos, cavalheiros e cruzadas que sonhavam a terra santa. Enquanto os portos sempre fizeram parte das principais rotas comercias, os castelos e as torres de observação protegiam a costa das invasões.

Originalmente a Puglia foi ocupada pelos povos da península balcânica e depois fez parte da Magna Grécia. Ganhou uma importância econômica com a presença romana, mas com a sua decadência absorveu influências bárbaras, sarracena e bizantina. Entretanto, viu um novo período de prosperidade com os normandos sob o comando de Frederico II do Sacro Império Romano-Germânico. Sofreu com as invasões turcas foi dominada pelos espanhóis e foi libertada da hegemonia dos Bourbon com a Expedição dos Mil liderada por Garibaldi. 

 

Viagem pela Puglia, um salto no sul da Itália: Praias

As praias da Puglia sempre fazem parte de um roteiro de viagem pelo sul da Itália, principalmente pelo seu litoral de 865 km de extensão. Não é a toa que muitas praias da região são Bandiera Blu, um reconhecimento internacional europeu dado às localidades que desenvolvem uma gestão sustentável do território. No Brasil, a Puglia ficaria em segundo lugar em extensão, menor só que o litoral baiano, 932 km.

Segundo dados oficiais, 98% do litoral é próprio para o banho.

A costa Adriática vai do Gargano até Santa Maria de Leuca. Partindo do Norte, de Rodi Garganico até a Manfredonia, se alternam falésias, grutas, praias e enseadas de areias ou de pedrinhas, por exemplo Vieste e Peschici. As Ilhas Tremiti são rochosas e com pouquíssimas áreas de areia, mas o mar é realmente espetacular.

Enquanto, o litoral na zona da Terra di Bari, da Manfredonia a Brindisi, se alternam praias de pedra e poucas de areia, estas são mais frequentes a partir de Fasano. No entanto, destaque para Polignano a Mare, uma cidadezinha  que está sobre um penhasco à beira mar.

No Salento, o sul da Puglia, o litoral Adriático é, na sua maior parte, rochoso e com penhascos e repleto de praias, enseadas e grutas marinhas, por exemplo, a Baia dei Turchi, em Otranto, e a Grotta Zinzulusa, em Castro. Entretanto, no litoral Jônico, de Leuca a Taranto, se diferencia pelas praias rasas, areias brancas e torres históricas de observação, por exemplo, Pescoluse (as Maldivas do Salento), Gallipoli e Castellaneta Marina.

Portanto a Puglia é uma das principais metas turísticas do verão italiano, frequentada por turistas italianos e estrangeiros e, também, por muitas celebridades internacionais. O Gargano e o Salento são as zonas mais frequentadas durante o verão italiano, principalmente as cidades de Vieste e Gallipoli.

 

Viagem pela Puglia, um salto no sul da Itália: Gastronomia

A Puglia é, acima de tudo, uma viagem na gastronomia do sul da Itália. A região é uma das maiores produtoras de vinho e azeite de oliva da Itália. O azeite é um dos ingredientes principais da cozinha mediterrânea, motivo pelo qual é reconhecido como patrimônio cultural pela Unesco.

Deguste seus produtos típicos como as orecchiete, um tipo de massa, o pão de Altamura, as friselle com tomate e manjericão, e a burrata. Acima de tudo acompanhado de um bom vinho Primitivo do Salento. Por fim, alguns pratos que você tem que provar são: orecchiette com ragu de carne ou nabos; e chicória com purê de favas. Enquanto em Bari, peça “arroz, batata e mexilhão”. Certamente você vai encontrar por todo o litoral espaguete com mexilhões. Não deixe de provar: a focaccia, o panzerotto e o pasticciotto! Clique aqui para saber o que comer na Puglia.